"As emoções, são as cores da alma." - A Cabana

28 de maio de 2014

Definição

Eu queria ver no escuro do mundo
Aonde está o que você quer
Pra me transformar no que te agrada
No que me faça ver
Quais são as cores e as coisas pra te prender
Eu tive um sonho ruim e acordei chorando
Por isso eu te liguei

Será que você ainda pensa em mim?
Será que você ainda pensa?

Ás vezes te odeio por quase um segundo
Depois te amo mais
Teus pêlos, teu gosto, teu rosto, tudo
Tudo que não me deixa em paz

Quais são as cores e as coisas pra te prender?
Eu tive um sonho ruim e acordei chorando
Por isso eu te liguei

Será que você ainda pensa em mim?
Será que você ainda pensa?

Quase Um Segundo /Cazuza

11 de janeiro de 2014

abre parênteses...
Pode ser que eu me irrite por que você faz muitas perguntas, pode ser que eu responda todas com um sorriso nos lábios... ou então, que eu simplesmente ignore e finja que não ouvi. Talvez eu acorde mau humorada amanhã, ou quem sabe cantando? Sempre foi assim comigo, sempre teve (tem) uma interrogação no meio da frase. Às vezes eu to me divertindo, aí fico triste, assim do "nada". Bem, se é do nada mesmo eu não sei, só sei que fico, e fico sem entender o motivo desse pesar que me consome e me atira ao precipício, pra no minuto seguinte me fazer sorrir, como quem está se afogando e volta à superfície...  
fecha parênteses...

9 de janeiro de 2014


" Amar é como uma droga. No começo vem a sensação de euforia, de total entrega. Depois, no dia seguinte, você quer mais... E se essa pessoa não está por perto, você experimenta a mesma sensação que os viciados sentem quando não conseguem a droga. E nesse momento, assim como os viciados roubam e se humilham para conseguirem o que querem, você estará disposto a fazer qualquer coisa pelo amor." 
[Paulo Coelho] 

E de repente aquele nó preso na garganta, as lágrimas caindo confusas enquanto as pernas te forçam, (se forçam) a ficar de pé. É, o susto é grande, e o peso contrai os ombros, os risos e a vida. Desabamos por inteiro, para nos reinventar de novo. E de novo. Desabamos para descobrir que podemos ser mais.